DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE DOENÇA CELÍACA

O que é glúten e onde ele está presente?

O glúten é um conjunto de proteínas encontradas nos cereais trigo, cevada e centeio. As pricincipais proteínas envolvidas são a gliadina do TRIGO, a hordeína da CEVADA e a secalina do CENTEIO  e são tóxicas para as pessoas com Doença Celíaca. A AVEIA também está na lista dos cereais proibidos pois mundialmente sofre contaminação por glúten em toda a sua cadeia produtiva. Já existem algumas marcas certificadas de aveia sem glúten que podem ser consumidas pela maioria dos celíacos. Segundo estudos clínicos, 8% dos celíacos reagem à proteína avenina presente na aveia, mesmo a sem glúten.  Por precaução, recomenda-se a aos celíacos o consumo máximo de 50 gramas de aveia por dia.

Em que faixa etária ela surge?

A Doença Celíaca acomete indivíduos de qualquer idade e de ambos os sexos, com predomínio do feminino. A prevalência na população geral é em torno de 1/100 pessoas.

Por que algumas pessoas manifestam a doença celíaca na infância e outras na idade adulta?

A pessoa já nasce com a predisposição genética para desenvolver a doença, porém não se sabe quando irá manifestá-la. Não há medidas conhecidas que evitem ou retardem a manifestação da doença celíaca.

Qual o tempo necessário para recuperação da mucosa intestinal após iniciar  uma rigorosa dieta sem glúten?

Após  a suspensão do glúten da dieta e controle da contaminação cruzada por glúten, a recuperação da mucosa intestinal inicia-se imediatamente, mas o tempo para o total restabelecimento anatômico leva vários meses.

Qual segmento do intestino é mais atingido na Doença Celíaca?

A parte mais afetada pela doença é a porção inicial do intestino delgado (duodeno), mas ela pode se estender distalmente . Quanto maior o segmento afetado, maior será o distúrbio de absorção.

O paciente celíaco tem maior probabilidade de desenvolver alguma doença maligna?

Se o paciente adotar e seguir a dieta sem glúten à risca a probabilidade é igual à da população em geral, porém se não aderir à dieta (em outras palavras, se não seguir o tratamento) aumentará sua chance de desenvolver uma neoplasia.

Pode existir Doença Celíaca sem sintomas gástricos?

Sim.  A Doença Celíaca é sistêmica e pode se apresentar com manifestações neurológicas, hepáticas, reumatológicas, psiquiátricas, dermatológicas, etc. Indivíduos assintomáticos, mas com anemia ou osteoporose (ou osteopenia) devem ser investigados, pois podem estar apresentando consequências da má-absorção de ferro e cálcio.

Como ocorre a atrofia da mucosa intestinal na Doença Celíaca?

Nas doenças autoimunes o nosso sistema imunológico agride células do próprio organismo como se fossem estranhas. Qualquer tecido pode ser "vítima", como o fígado (hepatite), tireoide (tireoidite), articulações (artrites), etc. Na Doença Celíaca o sistema imunológico destrói a mucosa intestinal após o contato com o glúten.

Existe algum medicamento para tratar a Doença Celíaca?

Não. O tratamento é somente a dieta isenta de glúten rigorosa. Entretanto, deve-se repor os nutrientes que estão em níveis baixos.

Ocorre normalização dos exames laboratoriais com o controle dietético?

Sim, todos os nutrientes voltam aos níveis normais, os anticorpos se tornam negativos e a mucosa intestinal volta a apresentar seu aspecto anatômico habitual após alguns meses de dieta sem glúten.

Qual é o papel da genética na Doença Celíaca?

A predisposição genética tem um papel importante, havendo genes responsáveis pela manifestação da doença. A grande maioria dos pacientes celíacos apresentam o gene HLA-DQ2 e/ou DQ8. O HLA DQ2 está presente em 30% da população geral, mas só 1% desenvolve a patologia.

Quem deve ser investigar Doença Celíaca?

Qualquer pessoa que apresente os sintomas ou sinais e todos os parentes diretos (pais, irmãos e filhos) dos pacientes celíacos. O risco de um parente ter a doença é de 1/10 enquanto que na população geral é de 1/100.

O meu filho celíaco pode brincar com massinha de modelar?

Atenção com o que a criança brinca na escola: massinhas de modelar , receitas caseiras de tintas, aulas de culinária podem expô-la ao glúten. Converse com a Direção e a equipe pedagógica sobre a Doença Celíaca e peça ajuda para que a criança possa permanecer segura no ambiente escolar.

A Doença Celíaca tem graus? O que é a classificação de Marsh?

A Doença Celíaca não tem graus e sim tipos de manifestação. Graus se referem à intensidade da lesão na mucosa intestinal.  Escala de Marsh é uma classificação histológica (microscópica) do estado da mucosa intestinal no que se refere à Doença Celíaca Ativa. Ela leva em conta o grau de atrofia das vilosidades intestinais, a presença de células inflamatórias (linfócitos intraepiteliais) e a relação vilosidade / cripta. Mesmo no grau mais avançado de atrofia pode haver regressão para o normal com a dieta sem glúten.

Qual a relação entre Doença Celíaca e Dermatite Herpetiforme?

A dermatite herpetiforme é uma forma de manifestação da doença celíaca em que existe irritação da pele com vermelhidão (hiperemia) e formação de bolhas. Ocorre principalmente nos cotovelos e nos joelhos. Ela tende a ceder com a dieta sem glúten.

Qual a relação entre DC e intolerância à lactose?

Normalmente a lactose é ‘quebrada’ pela ação de uma enzima chamada lactase, a qual é produzida nas células intestinais. Como na Doença Celíaca existe um dano na célula intestinal, a produção de lactase fica prejudicada e, como conseqüência, há dificuldade na absorção da lactose. Essa deficiência pode melhorar com a dieta e, talvez a lactose possa ser reintroduzida osteriormente. 

Tenho todos os sintomas da Doença Celíaca. Posso iniciar a dieta sem glúten por minha conta?

Não deve. Antes de iniciar uma dieta sem glúten deve-se investigar doença celíaca através dos exames adequados. Após a confirmação o paciente deverá ser bastante rigoroso e disciplinado por toda a vida. Iniciar uma dieta sem glúten de forma prematura poderá dificultar o diagnóstico futuramente.

 

 

Fontes:

Associação Portuguesa de Celíacos - APC
ACELBRA-SP
www.riosemgluten.com.br

Manual Informativo Básico - Nutricionista Dra. Cecília Carvalho
Gastroenterologista Dr. Hugo de Lacerda Werneck Junior