DIETA SEM GLÚTEN

Mudanças no estilo de vida para lidar com a doença celíaca


Uma dieta sem glúten é o único tratamento para controle da doença celíaca. É preciso evitar o glúten por toda a vida. Mesmo a menor quantidade pode desencadear uma reação do sistema imunológico e danificar o intestino delgado. Fazer uma dieta sem glúten requer uma nova forma de lidar com a alimentação.

 

Uma dieta sem glúten significa ter que excluir alguns cereais, massas e alimentos processados. O motivo é que eles geralmente contém trigo, centeio ou cevada. É preciso se tornar um especialista na leitura de rótulos e listas de ingredientes nas embalagens.

 

É possível ter uma dieta rica e variada, com muitos alimentos diferentes, incluindo carnes, peixes,ovos, laticínios, arroz, milho, frutas e legumes, juntamente com alimentos industrializados rotulados como sem glúten.  Hoje já é possível encontrar produtos sem glúten em muitos supermercados. 

Dicas para seguir uma dieta sem glúten

  • Evite todos os produtos com trigo, cevada, centeio, triticale (um cruzamento entre trigo e centeio), sêmola e qualquer outro tipo de farinha rotulada com o alerta "Contém Glúten".

  • Tenha cuidado com produtos de milho. Ele naturalmente não contém glúten, mas às vezes pode ser contaminado com glúten se for produzido em locais que também fabricam produtos de trigo, centeio ou cevada e seus dericados. Procure o alerta no rótulo da embalagem para saber se não contém glúten.

  • Obs: Sobre uso da AVEIA - estudos recentes sugerem que a maioria dos celíacos pode comer aveia em quantidades moderadas desde que ela não esteja contaminada com glúten durante o processamento.  Consulte o seu médico sobre isso.

  • Substitua  a farinha de trigo por farinha de batata, arroz, soja, amaranto, quinoa, trigo sarraceno ou feijão branco. Também pode ser usado o sorgo, grão de bico, araruta e farinha de milho, além de polvilho doce e azedo. Eles atuam como espessantes e agentes de fermentação.

 

  • Torne-se um especialista em leitura de rótulos. Conheça os termos do glúten oculto. Evite einkorn, emmer, espelta, kamut, amido de trigo, farelo de trigo, germe de trigo e proteína de trigo hidrolisada. Verifique os rótulos de todos os alimentos. O glúten pode ser encontrado em itens alimentares que você nunca suspeitaria. 


Aqui estão algumas idéias para fazer melhor a transição para uma dieta sem glúten

 

  • Separe todos os itens de cozinha usados ​​para preparar glúten daqueles usados para  alimentos sem glúten. Isso inclui utensílios de cozinha, tábuas de corte, garfos, facas e colheres.

 

  • Quando comer fora de casa, sempre pergunte ao chef como a comida foi preparada. Você também pode perguntar se um menu sem glúten está disponível. A maioria dos restaurantes tem um site onde você pode revisar o menu com antecedência. 

 

  • Cuide do tamanho das porções dos alimentos sem glúten industrializados que você ingere. Eles podem ser seguros, mas geralmente  contém muitas calorias provenientes de gorduras e açúcares (carboidratos).

 

  • Se você ainda perceber sintomas com sua dieta sem glúten, verifique se está consumindo pequenas quantidades de glúten escondidos em molhos, sopas, enlatados, temperos, maionese, embutidos, etc. ou nos utensílios de cozinha.

 

À medida que você e sua família se tornarem especialistas na leitura de rótulos de alimentos e produtos, poderão encontrar fontes ocultas de glúten antes que elas possam causar algum problema.

 

Você também pode ter mais ideias ao ingressar em um grupo de suporte, pessoalmente ou online, que poderá ajudá-lo a se adaptar ao seu novo modo de vida. 

Texto original:

https://www.hopkinsmedicine.org/health/conditions-and-diseases/celiac-disease/dietary-changes-for-celiac-disease

Conselho dietético para pessoas com doença celíaca


Pessoas com um diagnóstico confirmado de doença celíaca

devem aderir a uma dieta sem glúten ao longo da vida.

No momento do diagnóstico o estado nutricional

pode estar comprometido e pode ser

necessário repor vitaminas e minerais .


A dieta sem glúten até o momento, é o tratamento de primeira linha e vitalício para a doença celíaca. É importante que os celíacos tenham um bom conhecimento sobre alimentos e ingredientes que contenham glúten e sejam capazes de conferir os rótulos das embalagens.

Estado nutricional de pessoas recém-diagnosticadas


No momento do diagnóstico, alguns pacientes com doença celíaca podem ter perda de peso substancial, anemia e evidência de deficiências de vitaminas e minerais. O estado nutricional depende da gravidade dos danos no trato gastrointestinal e do período de tempo em que a pessoa viveu com a doença ativa. A má absorção de ferro, zinco, folato, cálcio e vitaminas lipossolúveis é comum.

Quando celíacos eliminam alimentos que contém glúten de sua dieta, a absorção normal de nutrientes geralmente é restaurada dentro de alguns meses, mas pode levar até dois anos em alguns adultos. As doses recomendadas para reposição de vitaminas e minerais são individuais, sendo que muitos celíacos se beneficiam de suplementação de cálcio e vitamina D.

A má absorção de cálcio e vitamina D aumenta drasticamente o risco de osteoporose e osteopenia em pessoas celíacas. A maioria dos celíacos tem algum grau de osteopenia ou osteoporose. As pessoas que desenvolvem osteoporose em tenra idade geralmente são aconselhadas a fazer o teste de investigação de  doença celíaca. A suplementação de cálcio e vitamina D, juntamente com uma dieta rigorosa e sem glúten, geralmente resulta em remineralização dos ossos. 

As deficiências de ferro e folato são comuns nas pessoas que se apresentam com doença celíaca, pois o local de absorção no intestino geralmente está envolvido nas alterações inflamatórias. Verificou-se que a remoção de glúten da dieta corrige anemias na maioria das pessoas.  Se, no entanto, persistirem os sintomas de cansaço e letargia, a ingestão alimentar de alimentos ricos em ferro e folato deve ser revista e considerada a suplementação.

Intolerância secundária à lactose


Muitas pessoas com doença celíaca também tem intolerância secundária à lactose devido à produção reduzida de enzimas pelas vilosidades danificadas. Na maioria das pessoas, isso se resolve com a remoção de glúten da dieta. Pessoas com intolerância à lactose podem apresentar sintomas gastrointestinais semelhantes aos da doença celíaca. Se os sintomas persistirem após a remoção do glúten, deve-se considerar um teste sem lactose e investigar outras intolerâncias alimentares. Como a intolerância à lactose pode se resolver com o reparo das vilosidades, os alimentos que contém lactose devem ser testados novamente para garantir que a dieta não seja desnecessariamente restritiva e que seja alcançada uma ingestão adequada de cálcio.

Dietas sem glúten


Pessoas com doença celíaca devem seguir uma dieta sem glúten por toda a vida, excluindo os cereais que contém glúten e seus derivados. A aveia contaminada também é evitada (veja abaixo ). Isso significa que as pessoas com doença celíaca não podem comer a maioria dos pães, cereais, biscoitos, massas e alimentos processados ​​disponíveis no comércio. Para algumas pessoas, a adesão a uma dieta sem glúten é difícil. No entanto, comer alimentos contendo glúten geralmente resulta em retorno imediato de sintomas gastrointestinais e aumenta o risco de problemas de saúde a longo prazo, incluindo osteoporose, anemia, aumento do risco de infertilidade e aborto, além de linfoma e câncer de intestino delgado.

As pessoas que seguem uma dieta sem glúten podem ingerir uma variedade de alimentos, mas é importante ler os rótulos das embalagens, pois muitos alimentos processados podem conter glúten.Muitos supermercados e lojas de alimentos naturais vendem produtos sem glúten, incluindo farinhas e cereais que não são à base de trigo, cevada ou centeio.

O papel da aveia em uma dieta sem glúten -

as evidências mudaram?

Existem estudos mostrando que a maioria dos celíacos pode tolerar pequenas quantidades de aveia como parte de sua dieta sem glúten. A dificuldade é identificar quais pessoas com doença celíaca estão no subgrupo que reagem à aveia.

Orientação adequada deve ser dada às pessoas que desejam incluir aveia sem glúten segura em sua dieta sem glúten. Recomenda-se que médicos e nutricionistas estejam envolvidos na decisão. Os celíacos que desejam adicionar aveia à dieta devem garantir que estão cientes de que algumas pessoas com doença celíaca podem não tolerar aveia (mesmo que sejam aveias sem glúten seguras).


A quantidade de aveia incluída na dieta deve ser limitada. A ingestão sugerida de aveia para um adulto é de 50 a 70 g por dia (metade a três quartos de uma xícara de aveia em flocos) e para uma criança, 20 a 25 g por dia (um quarto de xícara de aveia em flocos).


É recomendado que em um paciente recém-diagnosticado, a aveia, mesmo a sem glúten, seja excluída da dieta nos primeiros seis a doze meses até que os sintomas iniciais da doença celíaca tenham melhorado. Se após esse período a aveia sem glúten for introduzida na dieta sem glúten, um possível retorno dos sintomas poderá ajudar a identificar as pessoas que reagem à aveia.


O acompanhamento médico e nutricional do Paciente Celíaco deve ser contínuo.

Texto original:

https://bpac.org.nz/BPJ/2011/May/coeliac.aspx

10 PASSOS PARA ALIMENTAÇÃO DO CELÍACO 

Dra. Juliana Crucinsky - Nutricionista