DESORDENS RELACIONADAS AO GLÚTEN - DRG

As culturas de cereais e o consumo de cereais tiveram um papel vital na história da humanidade, mas nos últimos anos a ingestão de glúten foi encontrada associada a uma ampla gama de distúrbios clínicos. Cereais que contém glúten, como trigo, centeio e cevada, sempre foram um componente principal da dieta das pessoas nos países ocidentais, mas seu consumo também está aumentando nos países orientais, devido à adoção progressiva dos estilos de vida ocidentais. Nesse contexto, os distúrbios relacionados ao glúten emergiram gradualmente como um fenômeno epidemiologicamente relevante, com uma prevalência global estimada em torno de 5% , chamando a atenção da comunidade científica.

O glúten é a principal proteína estrutural do trigo, composta por duas frações principais: as gliadinas e as gluteninas. Proteínas homólogas foram encontradas no centeio e na cevada.

Diferentes mecanismos fisiopatológicos

estão envolvidos nas

desordens relacionados ao glúten

 

  • DOENÇA CELÍACA

  • ALERGIA AO TRIGO

  • SENSIBILIDADE AO GLÚTEN NÃO-CELÍACA (ou Sensibilidade ao Trigo não-celíaca)

 

 

Na Doença Celíaca, uma reação autoimune mediada por células T é desencadeada por peptídeos derivados do glúten. A cascata inflamatória autoimune está localizada no intestino delgado, onde leva à síndrome da enteropatia clássica e da má absorção. Entre os distúrbios relacionados ao glúten, a doença celíaca é a mais conhecido até o momento: a predisposição genética dos pacientes, a associação com outros distúrbios autoimunes e as complicações foram extensivamente estudadas.

A Alergia ao Trigo representa outro tipo de reação imunológica adversa às proteínas contidas no trigo e nos cereais relacionados, com diferentes apresentações clínicas, dependendo da via de exposição. Nesse cenário, os anticorpos da imunoglobulina E (IgE) mediam a resposta inflamatória a várias proteínas alergênicas (inibidor da alfa-amilase / tripsina, proteína inespecífica de transferência lipídica, gliadinas, gluteninas).

Um terceiro tipo de respostas sintomáticas à ingestão de glúten é a chamada Sensibilidade ao Glúten Não Celíaca. Os pacientes afetados geralmente relatam uma ampla gama de sintomas intestinais e extraintestinais que surgem logo após a ingestão de alimentos contendo glúten, mesmo na ausência de doença celíaca e /ou alergia ao trigo. Embora os mecanismos que levam ao aparecimento da sensibilidade ao glúten não-celíaca estejam longe de serem claramente entendidos, a opinião atual é de que existe um processo não-alérgico e não-autoimune. 

 

Fonte:

Elli L, Branchi F, Tomba C, et al. Diagnosis of gluten related disorders: Celiac disease, wheat allergy and non-celiac gluten sensitivity. World J Gastroenterol. 2015; 21(23):7110–7119. doi:10.3748/wjg.v21.i23.7110

Alergia ao Trigo
Desordens_Relacionadas_ao_Glúten.png